Sobre o filme “Preço da Verdade” e sobre indignação!

Alguém já existiu o filme “Preço da Verdade”? Gente, adoro cinema, e vocês? Sempre que podemos, eu e meu marido, vamos! E temos assistido filmes intrigantes e provocativos, como já comentei: Parasitas, Coringa, e sexta passada, fomos ver o estreante “Preço da Verdade”, que posso dizer que é intrigante e causador de muita indignação em nós!

Queridas, se não assistiram, vão. Se não pelo filme, ou passeio, pelo tema, que engloba todos nós, e nos faz sentir um bando de manipulados pelo capitalismo selvagem e criminoso. O ganhar à todo custo, à custas de nós mesmos.

Preço da Verdade – filme

O filme é sobre um advogado que vem caminhando em sua carreira e é arremetido, ou chamado por uma vítima para uma questão ambiental, da qual não tem noção da proporção e importância, e vai tomando consciência e conhecimento ao longo do processo que apresenta contra uma enorme empresa. Nada mais, nada menos que a Dupont.

A questão é  tão séria, pois é sobre um produto que a grande maioria de nós, ou todas nós usamos, o teflon! Que é um causador, de danos a nossa saúde! Além de nossas panelas na cozinha, não sabemos em mais o que existe este material, que causou mortes aos funcionários que tralharam e trabalham em sua manipulação, e aos redores, onde a poluição das águas, por exemplo, foi responsável por mortes de animais, plantações e pessoas.

É sobre um processo que durou de 1998 à 2015, com a perda da Dupont, tendo que pagar grandes indenizações, mas que fez um acordo de diminuir a produção, mas não parou obviamente, já vemos  ainda hoje os produtos em todo lugar.

Indignação

Assim como a Vale, a Dupont e muitas outras, ganham muito às custas de vidas, e continuam atuando sem maiores perdas, pois as indenizações, além de não trazerem vidas de volta, são vítimas para seu financeiro, sendo sempre fortalecidas pelos ganhos e se tornando donas do mundo, onde pouco podemos fazer.

Fazer a nossa parte sempre é importante! Estou tentando não ter mais esses produtos e descartar o que tinha, não é fácil, e nem tão simples, pois as vezes inocentemente consumimos nosso veneno.